Chegou a mim uma afirmação que circula em alguns ambientes sociais a respeito da autoria dos horóscopos que escrevo há 33 anos.

Anda-se dizendo por aí que, pelo impacto que esses textos provocam e a reação que as pessoas têm em relação a esses, de sentirem que esses textos foram endereçados particularmente a elas, aventa-se a possibilidade de que esses devam ser psicografados, que alguma entidade espiritual deva soprar em meu ouvido as coisas que escrevo.

Ora, com a mão no coração devo dizer que teria gostado que as coisas tivessem sido tão fáceis assim quanto sentar na frente das máquinas de escrever e alguém soprar em meus ouvidos os textos que escrevo, mas não posso mentir, o produto de meu trabalho resultou de investigação, estudo e esforço para encontrar uma linguagem que facilitasse aos leitores encontrar significado nos textos.

Eu não psicografo nem converso diretamente com entidades espirituais que me aconselham fazer isso ou aquilo, nem muito menos escrever o que escrevo.

Pratico a ciência de aproximação ao divino de muito antes de aceitar o ofício de escritor de horóscopos, porém, esta prática não presume a mediunidade, pelo contrário, determina que cada um de nós tenha de se abrir passagem pela vida afora através da experimentação e dos ajustes que se tornarem necessários como efeito dessa.

Não me parece que a psicografia deva ser uma forma de validar mensagens, porque nós não temos certeza sobre quem está do outro lado soprando coisas aos nossos ouvidos. No mundo dos mortos há almas que simulam virtudes e conhecimento, tal qual acontece deste lado, na existência objetiva.

Por isso, que uma mensagem seja psicografada não é o mesmo que afirmar que essa tenha algum valor superior.

Textos esclarecedores são fruto de investigação, estudo e experiência e, nesse sentido, todos estamos sozinhos no jogo da vida, tendo de lidar com nossos dilemas e complicações, e poderemos nos tornar fontes de esclarecimento para nossos semelhantes na mesma medida em que nos lançarmos com atrevimento a esse processo.

Sinto muito decepcionar as pessoas que supõem que a psicografia seja uma espécie de validação superior, porém, eu não psicografo coisa nenhuma.